07/05/2015

O lançamento de serviços de streaming de música lançados entre o final de 2013 e o ano passado impulsionaram o mercado de música online no Brasil.

Com um total mundial de assinantes de serviços pagos de 44 milhões de usuários, Deezer, iMusica, Napster, Rdio e Spotify são players de destaque não apenas no cenário global, mas também no mercado brasileiro.

Estimativas feitas por fontes desse mercado dão conta que o Brasil possui atualmente cerca de 7 milhões de usuários ativos, incluindo não apenas Deezer, iMusica, Napster, Rdio e Spotify, mas também a Rádio UOL. E desses, cerca de 1,2 milhão são usuários dos serviços pagos. "É uma taxa de conversão muito boa, de cerca de 17%, se formos pensar que esse mercado realmente só começou a ganhar força no Brasil há um ano. Mostra que há muito potencial", disse uma fonte. Os números incluem não apenas assinantes de streaming, mas também de clubes de download de músicas, por meio de uma mensalidade que dá direito a uma determinada quantidade de faixas a serem baixadas por mês.

Outra fonte que atua nesse mercado ressaltou que o streaming de música cresce exponencialmente em seu serviço. "Nos últimos seis meses dobramos nossa base de assinantes de streaming e hoje a proporção de streaming já supera em dez vezes toda a quantidade de downloads", conta. De maneira geral, os usuários brasileiros estão aceitando bem a troca do conceito de posse de música pelo de acesso, substituindo os downloads pelo streaming.

Outro impulso para os serviços são as parcerias com as operadoras de telefonia móvel, com billing direto na fatura ou desconto dos créditos pré-pagos do cliente. A iMusica tem parceria com a Claro; a Deezer, com a TIM; a Naspter, com a Vivo; e a Rdio, com a Oi. Em alguns desses casos, além da cobrança na fatura telefônica, há a vantagem de não ter o tráfego de dados descontados da franquia.

Fonte: Teletime