11/08/2014

A PayULatam negocia com as operadoras móveis o uso da sua plataforma de pagamento móvel no modelo 'white label', onde o cliente assume a marca do produto. Expectativa é que o primeiro contrato possa vir a ser anunciado ainda este ano.

"A plataforma por si só já é um marketing", diz o presidente da PayULatam no Brasil, Marcos Marins. Desafio é criar apps cada vez mais transparentes para o consumidor. No Brasil, a loja online Blubelle começou suas atividades com o uso da solução de checkout da empresa.

"O Brasil é um mercado que apostamos muito. Aqui não vejo porquê não ter as teles como grandes parceiras e clientes. Não vamos entrar no mercado para 'brigar' com elas. Acho que somos os fornecedores ideais para para suportar as aplicações de comércio móvel por smartphones e tablets", revela Marcos Marins, em entrevista ao portal Convergência Digital.

A PayULatam tem pouco menos de um ano de atuação no Brasil. O Centro de Desenvolvimento e Pesquisa está na Colômbia, com mais de 100 especialistas, mas já há, segundo Marins, trabalhos voltados para o mercado nacional. "Não tenho nenhuma dúvida que a redução de cliques é a melhor estratégia para massificar o celular como ferramenta de compras", sustenta Marins.

Um dos mercados mais importantes é o das companhias áereas. Até por conta da forte presença na Colômbia, a Avianca é um dos clientes da solução de pagamento móvel. E tem sido também uma fonte para o desenvolvimento de novos aplicativos. "Estamos costurando uma solução que vai simplificar muito o pagamento móvel de passagens. Não posso adiantar detalhes, mas até o fim do ano, teremos novidades", diz Marins.

No Brasil, a chegada da Bluebelle à carteira de clientes é comemorada. Com cerca de 1200 produtos voltados para a área de beleza - cosméticos, maquiagens, perfumes e produtos de cuidados pessoais, a loja online vai usar a solução de checkout transparente da PayULatam, com transparência para as demais de mercado como Master, Visa e ouutras. "Estamos cuidando de toda a parte de monitoramento e de ação antifraude", conta Marins.

O ano de 2014, com Copa e Eleições,não alterou a estratégia de consolidação da PayULatam no Brasil. "É claro que houve uma acomodação dos negócios. É um período complexo, mas estamos em um ritmo bem interessante. A massificação dos smartphones nos abre frentes importantes. O comércio eletrônico em alta também nos favorece ao manter esse crescimento acima de dois dígitos no país", diz o executivo.

Na primeira metade do ano, a PayU Latam aprovou mais de 7 milhões de transações no comércio eletrônico, tendo processado mais de US$ 1 bilhão em sua plataforma, ante 5 milhões de transações aprovadas e US$ 800 milhões processados no mesmo período do ano anterior. Até o final do ano, a expectativa é de que mais de 16 milhões de transações sejam aprovadas pela PayU Latam, gerenciando mais de US$ 2,5 bilhões, o que demonstra a relevância da empresa na América Latina. Em 2013, a PayU Latam registrou mais de 11 milhões de transações aprovadas e processou mais de US$ 1,7 bilhão em sua plataforma.

Fonte: Ana Paula Lobo - Convergência Digital